Feras e belas: triatletas abraçam estampas femininas para mostrar sua força no esporte

    Em 13 jan 2016

      A participação das mulheres nos mais diversos esportes é crescente. Entre o público norte-americano, elas já são maioria nas provas de meia maratona e quase se igualam aos homens nas provas de maratona. O próximo esporte onde haverá uma invasão do público feminino é o Triathlon, tendência que pode ser notada pelo aumento contínuo das atletas inscritas nas mais diferentes distâncias.

      De acordo com a International Triathlon Union (ITU), órgão máximo do Triathlon no mundo, a participação média das mulheres subiu de 27% em 2000 para 38% atualmente. A mesma tendência é relatada pelos maiores organizadores de provas do mundo, as redes Ironman e Challenge.

      Até pouco tempo atrás, as roupas multiesporte eram quase que exclusivamente projetadas para os homens, sofrendo algumas alterações para o público feminino. Com o aumento do número de mulheres no nadapedalacorre, algumas marcas perceberam que não bastava adaptar modelos, mas sim criar roupas específicas para elas, com moldes, materiais e estampas distintas e exclusivas.

      Uma das primeiras marcas brasileiras a perceber essa necessidade das triatletas foi a Lauf. Criada em 2010 por amigas triatletas que buscavam roupas diferentes para provas de longa distância, com alta performance, mas um toque fashion.

      A receita de sucesso da marca está nos detalhes ao gosto feminino, como conta a atleta e diretora da Lauf, Marina Rovery:

      “A procura de roupas e acessórios pensados no público feminino é muito grande, pois, geralmente, as mulheres atletas são muito vaidosas e gostam de variar seus looks, um pouco diferente dos homens que se contentam em ter, por exemplo, uma única roupa de prova. As mulheres querem estar diferentes e inovar em cada prova que participam.”

      E essa inovação vai além do visual “O conforto é algo inacreditável”, conta a triatleta Carolina Militão, que foi pódio na categoria 25-29 anos no Ironman Fortaleza 2015. “Não tem como comparar com as roupas que não são específicas para as mulheres. Além disso, sinto que minha autoestima aumenta, eu me sinto bem e confiante. Você sabe que está bonita e passa a focar no seu desempenho.”

      Militão no Ironman Fortaleza. Foto: Wagner Araújo

      Militão no Ironman Fortaleza. Foto: Wagner Araújo

      O aumento da autoestima e da confiança e seu efeito sobre o desempenho parecem chamar a atenção dos homens. As mulheres deixaram os homens com uma ponta de inveja após o sucesso das roupas com mais estilo: “temos muita procura por parte do público masculino. Muitos homens estão ‘descobrindo’ esse universo mais fashion”, conta Marina, que pretende lançar uma linha masculina ainda este ano.

      Leia também:  Guia completo para técnica e treinamento de natação, parte 3

      A maioria dos triatletas amadores começa no esporte para ter uma vida melhor, mais qualidade de vida, um corpo mais bonito e maior autoestima. O que as mulheres têm mostrado é que sentir-se bem é um componente importante de nossa vida esportiva, afinal não há nada que impeça que elas sejam feras e belas.

      > Conheça a seção Feminina do MundoTRI

      Siga-nos ns redes sociais:
      Facebooktwitterrssyoutubeinstagram
      Compartilhe este artigo:
      Facebooktwitterredditpinterestmail

      Comentários

      comentários

        Xterra Brasil